Mudamos o layout e isso pode gerar alguns bugs nas postagens, se perceber algum avise: contanto@informaticando–ajuda.com

Anônimos na música, Rockstars nos video games

Por: João Manoel,

 

Se tornar uma estrela do rock. Certamente, este é um objetivo compartilhado por muitos, mas que poucas vezes se torna realidade. Em vez de brilhar nos palcos, acabamos nos conformando com empregos fixos e uma vida comum, deixando toda a intensidade e a agitação contínua de lado. Há pouco mais de dez anos, dois jovens ingleses com os mesmos sonhos conseguiram converter sua vontade de detonar em shows para o universo do entretenimento eletrônico. O resultado? As estrelas do rock dos video games. Ou melhor, a Rockstar.

 

Você, sem sombra de dúvidas, deve conhecer esta companhia. Responsável por diversos títulos, como Lemmings, Manhunt, Midnight Club e Max Payne, a Rockstar foi, e ainda é, uma das empresas mais respeitadas do ramo, principalmente por ser a dona de uma das franquias mais revolucionárias da história dos games: Grand Theft Auto.

 

Agora, o Baixaki Jogos resolveu prestar sua merecida homenagem à companhia, trazendo um pouco mais desta jornada para nossos usuários. A história da Rockstar se confunde com a própria história de Grand Theft Auto, trazendo controvérsias, problemas e inovações. Que comece o show.

 


Afinando os instrumentos

Ensaios e mais ensaios

 

Bem, o nome da Rockstar realmente não surgiu à toa. Mas, antes de comentarmos sobre isto, vamos retornar um pouco mais no tempo, quando Dan Houser e Sam Houser compartilhavam o sonho de se tornarem os deuses do rock ‘n roll. Na Inglaterra, os jovens foram apresentados a uma nova bomba estadunidense: o Hip-hop. Logo, os irmãos viram-se encantados pelo estilo musical e pelo próprio estilo de vida do gênero, que também compartilhava muitos elementos com o rock.

 

Sendo assim, o foco dos dois estava bem claro: vamos nos tornar estrelas da música. Logo depois de terminar os estudos, ambos partiram direto para a BMG, um selo musical da Inglaterra. Finalmente, Sam e Dan Houser estavam trabalhando no coração da indústria musical. Mas, infelizmente, a realidade demonstrou-se bem diferente dos sonhos.

 

Trabalhar na BMG não era exatamente o que os irmãos Houser queriam, já que, de rock ‘n’ roll, seus empregos não tinham nada. Mas, em 1993, a companhia fez algo que surpreendeu a todos, inclusive a Dan e Sam. Para aproveitar o sucesso do entretenimento eletrônico na época, a BMG decidiu lançar um setor dedicado exclusivamente a criação de jogos eletrônicos. Os donos da companhia ainda queriam que jovens dirigissem a companhia.

 

Sam e Dan logo partiram para esta nova ideia, esperando encontrar algo parecido com a fama de um rockstar, principalmente pelo fato de serem mais livres em suas criações. Sem saber nada sobre programação e jogos em geral, os irmãos chegam à companhia. O início da BMG Interactive, como era conhecida, não foi muito empolgante.

 

A empresa lançava poucos jogos e praticamente todos eles não passavam da mediocridade. Talvez o maior sucesso da companhia na época era Pandemonium 2, um jogo de plataforma estrelado por personagens esquisitos e ambientes extremamente coloridos. Mesmo assim, as vendas não chegavam nem perto do setor musical da BMG, deixando a companhia perto de um fim.

 

Mas toda esta falta de esperança logo desapareceria. Certo dia, os irmãos Houser conheciam as mentes por trás de Lemmings, um game de sucesso lançado para PC e diversas outras plataformas. A desenvolvedora era a DMA, ou Direct Mind Access (uma brincadeira com um termo da plataforma amiga: Direct Memory Access), que estava localizada no centro da Escócia.

 

Um dos elementos que chamou a atenção na BMG em relação a DMA foi o senso de humor mais adulto imposto nos jogos da desenvolvedora. Mesmo com games direcionados às crianças e jovens, a DMA conseguia também prender, de certa, forma, o público mais adulto.

 

Quando a DMA apresentou uma nova ideia, os irmãos Houser simplesmente foram à loucura. A ideia era a seguinte: criar um jogo diferente, com visão de topo, chamado Racing Chase, o qual contaria com mafiosos, roubos de carros, polícia, inocentes e vítimas em potencial. O título também traria algo que os outros jogos não traziam: um mundo aberto. Desprendendo-se dos objetivos específicos, a DMA planejava um game no qual o jogador escolhia o que queria fazer. Racing Chase também não contaria com uma tela de “game over”, já que o jogador ressurgia em pontos específicos da cidade, como hospitais e delegacias.

 

A ideia certamente era de conceber um game muito mais adulto do que praticamente qualquer coisa presente na época. Entretanto, as ambições também criaram um game extremamente difícil de programar, fazendo com que Racing Chase se tornasse uma aposta arriscada.

 

Mesmo assim, em 1997, o jogo chegava às lojas, mas com um novo nome: Grand Theft Auto. O game se tornou um sucesso, vendendo mais de 2 milhões de cópias. Um sucesso que, sem dúvidas, reergueria a BMG Interactive, não é mesmo? Não exatamente. GTA não salvou a BMG, pois a companhia já estava condenada. Os líderes da corporação queriam cortar o setor interativo da BMG, deixando os irmãos Houser na corda bamba.

 

Contudo, na mesma época uma desenvolvedora de Nova Iorque procurava desenvolvedores que estivessem interessados em criar jogos mais adultos e com um clima mais sombrio. Seu nome? Take Two Interactive. Ao observar o estilo de jogo criado em Grand Theft Auto, a companhia percebeu que era isso que estavam procurando e comprou a BMG Interactive.

 

 

Finalmente, Dan e Sam Houser que cresceram escutando o som de Nova Iorque migravam para o local. E o melhor: os irmãos Houser tinham a liberdade de produzir o que bem entendessem e com uma ajuda financeira astronômica. Foi neste momento que os Dan e Sam percebiam que tinham uma grande oportunidade em mãos. Bastava realizar tudo da maneira correta e a nova companhia decolaria.

 

Entretanto, os irmãos precisavam de um novo nome para a divisão, já que a BMG Interactive havia sido apagada. O fato de Dan e Sam estarem vivendo em Nova Iorque, a cidade de seus sonhos, e liderando um grupo com liberdade para criar só podia resultar em um pensamento: a vida de uma estrela do rock. Surge então a Rockstar.

 

O show começou

As estrelas do rock e suas composições

 

Quando a BMG Interactive passou a se chamar Rockstar, pouca coisa mudou. O pessoal que trabalhava no topo companhia era basicamente o mesmo, mas agora vivendo em Nova Iorque. Os vínculos continuavam praticamente iguais, e, sendo assim, a Rockstar logo começaria a trabalhar na sequência de Grand Theft Auto.

 

O segundo jogo da série era, estruturalmente, igual ao primeiro. Contudo, a companhia adicionava novos recursos e novidades ao game, como o sistema de gangues e alguns ajustes na jogabilidade. O mais bacana é que os irmãos Houser continuaram sendo as grandes mentes por trás dos jogos, o que acabou concebendo um estilo dominante na Rockstar.

 

GTA II vendeu bem, chegando a marca de dois milhões de unidades vendidas. Enquanto isso, a Rockstar já trabalhava em seus próximos projetos. Midnight Club e Smugglers Run também se apresentavam sob a assinatura das estrelas do rock, alcançando boas vendas. A Rockstar via que seus negócios iam bem. Mas, bem não era o suficiente para os irmãos Houser.

 

É a partir deste momento que o verdadeiro show da Rockstar se inicia. A companhia tinha uma ideia simples: vamos quebrar o paradigma de que somente nerds e pessoas sem amigos jogam video games. A companhia queria criar uma imagem bacana para os games e decidiu que seus jogos deveriam se desprender da fantasia de dos outros elementos normalmente adotados pelos jogos. Em vez disso, a ideia era criar jogos realistas, mas que, mesmo assim, serviam como uma válvula de escape.

 

De todas as companhias que a Rockstar havia trabalhado a DMA certamente era quem mais chamava a atenção, e talvez fosse a mais adequada para esta nova missão. Sendo assim, os irmãos Houser decidiram mergulhar de cabeça na franquia Grand Theft Auto. Mas, em vez de criar um jogo praticamente igual, a Rockstar decidiu arriscar-se, mais uma vez.

 

 

O próximo jogo da série GTA seria a obra-prima da Rockstar. Sam se tornou o produtor-chefe e o diretor enquanto Dan passou a escrever o roteiro do próximo game. O objetivo do novo GTA era ser um game completamente guiado pelo protagonista, trazendo uma trama mais profunda e cinematográfica. Tudo isto em três dimensões.

 

É claro que o preço de desenvolvimento também iria às alturas, mas isto não era problema para a Rockstar. Partindo do conceito básico dos predecessores da série, o novo joga contaria com um mundo livre e aberto. Contudo, agora os jogadores contariam com uma trama principal, a qual também poderia ser ignorada caso o jogador quisesse completar os objetivos secundários ou simplesmente sair destruindo tudo o que visse pela frente.

 

Nascia então um mundo virtual praticamente sem limites, trazendo um game completamente inovador: Grand Theft Auto III. Jogabilidade viciante, história totalmente cinematográfica, diálogos bem escritos e atuados, roteiro marcante, músicas licenciadas e um dos maiores ambientes já produzidos dentro de um game são apenas alguns dos elementos que justificam o sucesso de GTA III.

 

O sucesso foi tão grande que a própria Sony pagou à Take Two para que GTA permanecesse como um exclusivo do seu console — um acordo que não durou para sempre. Infelizmente, o game também acabou sendo alvo de controvérsia, já que advogados e o próprio Jack Thompson condenavam o game como um péssimo exemplo para crianças e jovens, conectando-o até mesmo com assassinatos e outras atrocidades ocorridas no período.

 

Decolando

Cada vez mais alto

 

Toda esta controvérsia só contribuiu para as vendas de Grand Theft Auto e para o sucesso da Rockstar. No ano seguinte, a companhia apostava em um novo game da série: Grand Theft Auto: Vice City. Este lançamento também significava a total imersão da DMA à Rockstar Games. Agora, a DMA passava a se chamar Rockstar North.

 

Vice City trazia a mesma jogabilidade de seu predecessor, trazendo apenas alguns ajustes e novos veículos. Entretanto, o título também mostrava o poder da Rockstar, que contratou grandes astros de Hollywood, como Ray Liotta e Dennis Hopper, para dublarem os personagens do game. Um ato decisivo para a aceitação dos games na atividade midiática. Os jogos já não eram vistos como simples games para crianças.

 

 

A Rockstar parecia realmente não possuir limites. A chegada de Manhunt foi uma das provas disto. O jogo contava com uma proposta totalmente brutal e acabou sendo conhecido como o game mais violento de todos os tempos. Mais controvérsia, mais vendas. Manhunt chegou a ser proibido em vários países, mas mesmo assim vendeu bem. A imagem da companhia estava manchada de sangue e controvérsias, mas carimbada permanentemente na indústria do entretenimento eletrônico.

 

Nos últimos anos, a Rockstar passou a adquirir diversos estúdios de desenvolvimento ao redor de todo o mundo. Depois da Rockstar North, surgiram subsidiárias como Rockstar Leeds, Rockstar Japan, Rockstar Lincoln, Rockstar New England, Rockstar San Diego, Rockstar Toronto, Rockstar Vancouver e a extinta Rockstar Vienna.

 

Nesta geração, a companhia sacudiu toda a indústria do entretenimento com a chegada de Grand Theft Auto IV, que, com qualidade, se tornou um dos jogos mais vendidos de todos os tempos, quebrando recordes e entrando até mesmo para o Guinness. Como empresa, a companhia é uma das mais valorizadas do mercado, com vários empregados e projetos ao redor de todo o globo.

 

Red Dead Redemption é a mais recente obra da companhia — game que será analisado em breve no Baixaki Jogos. Mais uma vez, a Rockstar traz um projeto ambicioso, adotando o característico estilo mundo aberto e o estilo cinematográfico ao título.

 

Além das diversas subsidiárias, a Rockstar também possui lojas online e até mesmo sua própria rede social, e também capricha nas campanhas publicitárias de seus games. Definitivamente, mesmo longe da música, os irmãos Houser conseguiram a fama, o sucesso, o dinheiro e muito mais, criando a verdadeira Rockstar do mundo dos games.

Via: Baixaki Jogos.

Você é fã da Rockstar? Gostou da história da empresa? Comente e opine.

1 comentários:

Danilo disse...

Sempre fui fã da série Grand Theft Auto, jogo desde GTA 2.

Sobre o artigo, muito bom mesmo, não sabia dessa história :D

Postar um comentário

Para comentar entre na versão completa do blog!